Pronunciamento foi alvo de panelaço em diversas cidades do país

Bolsonaro promete tolerância zero com queimadas na Amazônia

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta sexta-feira (23) que terá "tolerância zero" com as queimadas registradas na Amazônia e ressaltou que os incêndios não podem ser considerados "pretexto para sanções internacionais". Durante pronunciamento em rede nacional, o mandatário ainda afirmou que os incêndios florestais ocorrem em todo o mundo e que a proteção da Amazônia é dever do governo. "Estamos cientes disso e atuando para combater o desmatamento ilegal e quaisquer outras atividades criminosas que coloquem nossa Amazônia em risco", afirmou. A declaração foi motivada em meio às diversas críticas por parte de líderes mundiais que Bolsonaro tem sofrido nos últimos dias em relação à sua política ambiental. No vídeo, o presidente brasileiro ressaltou que "para proteger a Amazônia não bastam apenas operações de fiscalização". Para ele, é preciso estabelecer "oportunidades" para os que vivem na região. Segundo Bolsonaro, "o emprego de pessoal e equipamentos das Forças Armadas, auxiliares e outras agências permitirão não apenas combater as atividades ilegais como também conter o avanço de queimadas na região". 


O mandatário ainda ressaltou que seu governo está disposto a ajudar todos os estados da Amazônia Legal que solicitarem o emprego das Forças Armadas para conter as queimadas.
    "Somos um governo de tolerância zero com a criminalidade, e na área ambiental não será diferente. Por essa razão, oferecemos ajuda a todos os estados da Amazônia Legal. Com relação àqueles que a aceitarem, autorizarei operação de garantia da lei e da ordem", afirmou. Bolsonaro atribuiu o crescente número de queimadas às condições climáticas. "Estamos numa estação tradicionalmente quente, seca e de ventos fortes em que todos os anos, infelizmente, ocorrem queimadas na região Amazônica", acrescentou. O chefe de Estado explicou que "nos anos mais chuvosos, as queimadas são menos intensas, em anos mais quentes, como neste, 2019, elas ocorrem com maior frequência".

    "O Brasil é exemplo de sustentabilidade, conserva mais de 60% de sua vegetação nativa, possui uma lei ambiental moderna e um código florestal que deveria servir de modelo para o mundo", explicou. Por fim, fazendo referência ao uso de imagens falsas da Amazônia para protestar nas redes sociais, ele disse que "espalhar dados e mensagens infundadas dentro ou fora do Brasil não contribui para resolver o problema. E se prestam apenas ao uso político e à desinformação". "Seguimos como sempre abertos ao diálogo, com base no respeito, na verdade e cientes da nossa soberania", finalizou. Panelaço - Enquanto o presidente Bolsonaro se pronunciava, diversos usuários do Twitter publicaram imagens de panelaços realizados em diversas partes do país. Em forma de protesto, os internautas planejaram o ato com a #panelaço na rede social. A hashtag ficou por horas entre os assuntos mais comentados. A iniciativa com o uso de panela foi muito utilizada entre 2015 e 2016, durante os pronunciamentos da ex-presidente Dilma Rousseff, e também durante transmissões do Partido do Trabalhadores (PT) em rede nacional.

fonte: terra.com.br

Outras Notícias

Estilista da NYFW aposta na tecnologia em tempos de pandemia

É possível que seja melhor ver um desfile de moda virtualmente do que pessoalmente? É nisso que aposta a estilista Re...

Com vocais poderosos, Lady Gaga canta hino dos EUA na posse de Joe Biden

Como prometido, Lady Gaga foi responsável por cantar nesta quarta-feira (20) o hino dos Estados Unidos dura...

Astro de “Pantera Negra”, Chadwick Boseman morre aos 43 anos

O ator Chadwick Boseman, conhecido por interpretar o príncipe T’Challa de “Pantera Negra“, faleceu neste fi...

Após críticas de Rina Sawayama, premiações britânicas revisarão regra de elegibilidade para imigrantes

Na última quarta-feira (29), a cantora Rina Sawayama fez críticas às premiações britânicas. Isso porqu...

Coronavírus: Nas últimas 24 horas, Itália teve uma morte a cada três minutos e meio

A cada três minutos e meio, aproximadamente, uma pessoa morreu na Itália devido ao novo coronavírus nas últimas 24 ho...